Pedro Lucas Porcellis

Alpine Linux

Traduções disponíveis:

Eu comecei a utilizar o Alpine Linux já faz um tempo, em especial porque eu sabia que ele era conhecido por ser uma distribuição leve, um requisito do qual eu julgo muito necessário e da qual eu já escrevi a respeito. Depois de um ano trabalhando de casa devido a pandemia de Covid-19, decidi parar de utilizar um notebook como minha ferramenta principal. Os motivos são variados, mas a falta de espaço para armazenamento e ter que lidar com bateria me fizeram eu finalmente fazer um merecido upgrade para uma estação de trabalho desktop.

Depois que eu migrei tudo do notebook para a nova máquina, vi que era uma ótima oportunidade de fazer um tão desejado test-drive do Alpine no notebook. Não preciso dizer que nunca mais voltei atrás.

Sinceramente, o que eu mais gosto no Alpine é o fato de que ele é muito simples. Tudo nele me remete a um certo minimalismo, a um desejo de não ser intrusivo e de tentar ser um sistema barebones (apenas o mínimo), mas sem ser masoquista. Tudo nele me parece que foi feito com o objetivo de optar pelo caminho mais simples, mesmo que isso signifique sacrificar algumas “otimizações” para você, e escolher poucas peças, mas peças que apresentem um funcionamento correto.

Eu sinto que também é uma distribuição que eu consigo confiar como que ela vai se portar e que simplesmente emana estabilidade. Todo o desenvolvimento é feito em uma branch “edge” (ponta) e a cada seis meses se congela uma nova versão, versão essa que tem suporte por até dois anos. O modelo de rolling release, ou seja, onde assim que um pacote é atualizado upstream 1 é automaticamente atualizado pelos empacotadores na distribuição já se provou um sucesso entre outras distribuições (implementado por distribuições respeitáveis como o Arch Linux, Gentoo, etc), e o Alpine seguiu o mesmo caminho. Eu considero o período de dois anos um pouco longo, mas o suficiente para que não deixe o sistema atrofiar. Atualizar entre versões do Alpine é tão simples quanto editar um arquivo, trocar a versão e mandar atualizar os pacotes. Manter um sistema atualizado é o mínimo de qualquer infra-estrutura decente, e o Alpine consegue tornar isso ainda menos doloroso.

O gerenciador de serviços, openRC, é pequeno e simples, e essencilamente existem dois formatos de escrever serviços para ele, preenchendo algumas variaveis no arquivo de serviço 2 ou escrevendo scripts mais complexos se necessário 3, afinal é tudo shell-script.

O gerenciador de pacotes do sistema é incrívelmente rápido e vastamente documentado. Empacotar programas é realmente muito direto ao ponto. Fora que em menos de uma hora é possível montar uma infra-estrutura para oferecer pacotes customizados, ou que ainda não estão disponíveis nos repositórios oficiais. O próprio Alpine oferece as ferramentas para você montar essa infra-estrutura, assinar pacotes, manter um índice para consulta (o comando abuild) e basta você expor esse repositório por um proxy reverso e pronto.

O ponto mais fraco, infelizmente, é a documentação que além de ser bastante incompleta em alguns lugares, muitas vezes se refere a documentações externas como a wiki do Arch Linux ou até mesmo de versões antigas do Alpine. Dito isso, desenvolvedores do Alpine tem colocado bastante peso em manter as man pages dos pacotes atualizadas e disponíveis, e alguns esforços tem sido feito para melhorar a documentação como um todo.

Outro ponto que ainda atrapalha, mas que na minha opinião revela muito mais sobre como desenvolvedores veem Linux, é o fato de que a maior parte de softwares externos tem dificuldade de funcionar no Alpine. Em especial, pelo fato que o Alpine usa como biblioteca C o projeto do musl-c, ao invés do GNU. O projeto do musl-c tenta implementar uma versão “correta, simples e segura” da biblioteca C, o que faz com que alguns softwares específicos não consigam rodar por ser extremamente dependente de uma implementação específica da biblioteca C, ou seja, não são por si só, softwares portáveis.

Apesar disso, não é uma causa perdida e existem algumas camadas de compatibilidade que a própria equipe do musl e do Alpine disponibilizam, e são muitos poucos programas que de fato não funcionam ou quebram (eu pessoalmente, só vi ocorrer em alguns jogos).

Em suma, eu realmente gosto muito do Alpine Linux e me pego muitas vezes preferindo utilizar o meu notebook justamente porque roda Alpine. Todos os meus servidores rodam Alpine, e em breve a minha estação de trabalho irá também. Eu mantenho um repositório de pacotes de terceiros, algumas dezenas de pacotes e se possível utilizo em máquinas virtuais/dockers do trabalho.


  1. upstream remete à fonte, ou seja, onde o software é publicado e downstream onde ele é consumido e mantido. ↩︎

  2. https://git.eletrotupi.com/pacotes.eletrotupi.com/tree/master/pkgs/satellite/satellite.initd ↩︎

  3. https://git.eletrotupi.com/alfazema.club-etc/tree/master/init.d/hometown-web ↩︎